Básica/Primary

É uma categoria para introdução dos pilotos iniciantes aos campeonatos de acrobacia aérea de precisão. Ela consiste de uma seqüência simples de geralmente 5 manobras. Não há também muita rigidez por parte dos juízes em relação a possíveis saídas das aeronaves das limitações laterais do “Box” (caixa imaginária no céu). A única rigidez dos juízes nesta categoria é a altitude mínima de execução, definido em 1500 pés, para segurança do próprio piloto iniciante, que no caso de algum erro tem altitude segura para retomar o vôo normal. É permitida inclusive a participação de competidores ainda não checados, desde que acompanhados de pilotos habilitados também conhecidos como Safety Pilots.

Esporte/Sportsman

É a segunda categoria, onde começam a ter exigências maiores no regulamento. A cada ano a seqüência conhecida, que contém de 10 a 15 manobras diferentes. Ela utiliza praticamente todos os tipos de manobras básicas e pode ser executada por todos os aviões acrobáticos, que não são muito exigidos. São feitos dois vôos que tem a duração de cerca de 3 minutos sem interrupções. A partir dela começa a ser penalizadas as incursões para fora das laterais do “Box”. Nesta categoria, assim como na básica, os aviões mais usados são o Decathlon, o Cap 10 e o Christen Eagle.

Intermediária/Intermediate

Esta categoria começa a dar mais ênfase às manobras verticais e é onde aparece o tunô rápido ou “snap” pela primeira vez. Os aviões mais utilizados são o Christen Eagle e o Extra 230.

Avançada/Advanced

Dá grande ênfase às manobras de altos Gs negativos, inclusive snaps. As seqüências têm combinações mais complexas e desgastantes. Exige aeronaves mais avançadas. Normalmente Pitts e Extra 230.

Ilimitada/Unlimited

É a ultima categoria da competição de precisão da acrobacia aérea. Permite manobras como os “tailslides” e seqüências altamente complexas. Só é competitiva com aeronaves potentes e de altíssima performance, como Sukhoi 26 e 31, Extra 300, Edge 540 e etc. Estas aeronaves são mais ágeis e resistentes a Gs que os mais modernos aviões de combate. É essencial um bom preparo físico por parte dos pilotos. Voa-se muito próximo do solo, a até um mínimo de 100 metros.O Campeonato Mundial de Acrobacia Aérea é baseado principalmente nesta categoria quanto ao aspecto de precisão, os pilotos competidores vencedores dos torneios nacionais desta categoria geralmente estão aptos a irem disputar o Mundial.

Na categoria básica cada piloto executa duas vezes a seqüência conhecida, para que seu vôo possa ser avaliado. No segundo vôo da categoria esporte o piloto pode optar por voar uma seqüência de sua escolha (livre) em vez de repetir a conhecida. Nas categorias mais complexas, que são a intermediária, a avançada e a ilimitada, são voadas três seqüências: a conhecida, a livre e a desconhecida.

Cada competidor deve voar uma vez por dia, para que os juízes o avaliem do solo. A seqüência Conhecida é pré-definida de cada ano; na Livre, o próprio piloto é responsável pela criação de acordo com critérios específicos para sua categoria e a entrega para o organizador da prova; na desconhecida, a seqüência é entregue ao competidor um dia antes e não pode ser treinada. A altura mínima para que os pilotos executem as manobras vai sendo reduzida de aprox. 500 metros (1.500pés) nas categorias básica e esporte para até cem metros, que é o caso da categoria ilimitada.

Enquanto cada piloto faz sua apresentação, os juízes – que permanecem no chão e cujo número pode chegar a 15 – avaliam as manobras a partir de técnicas apuradas, dando nota com base na maneira como a aeronave é conduzida e como são realizadas as figuras no céu. A cada erro, imprecisão ou esquecimento da seqüência pelos pilotos, o julgamento dos juízes é negativo, reduzindo a nota final do competidor.

Livre 4 minutos/Free 4 Minutes

A última categoria incluída nos campeonatos a “Estilo Livre 4 minutos”, é a mais apreciada pelo público. Nela os pilotos não executam a mesma seqüência, cada piloto fica livre para criar o que desejar. Caso seja desejo do piloto, pode-se utilizar a fumaça e até mesmo a música. Só é feito um vôo. A precisão na pilotagem e no uso dos limites do caixa não são, neste caso, os únicos requisitos para que o piloto tenha uma boa nota, mas também a simetria, a coreografia e a beleza do vôo, como se os pilotos fossem dançarinos no ar. Há inclusive um julgamento paralelo, o troféu “Preferência Popular”, em que os juízes não precisam ter conhecimentos específicos das regras dos campeonatos de acrobacia, mas apenas apreciar aviação, acrobacias e, acima de tudo, arte, esta categoria também encontra-se presente na disputa pelo Campeonato Mundial e é o segundo critério de avaliação após as competições de precisão.